FUMIKA HORIGOME


FUMIKA HORIGOME

Fumika Horigome, a primeira farmacêutica mulher da cidade de Suzano, nasceu em Jacareí, a 10 de junho de 1938, e veio com os pais e a irmã, em 1944, morar no município quando ainda era Distrito de Mogi das Cruzes.
Os pais chegaram do Japão ao Brasil pelo Porto de Santos na década de 30. Tomie Horigome, o pai, em 1932, para trabalhar na lavoura de café na cidade de Cafelândia, interior paulista, e Shigueko, em 1936, sua mãe, parteira formada no oriente, que na pátria adotiva assistiu o nascimento de mais de duas mil vidas. O casal de imigrantes casou no Rio de Janeiro, e veio para Jacareí, cidade do Vale do Paraíba, e posteriormente para a cidade de Mogi das Cruzes.
Um ano antes do fim da 2ª Guerra Mundial, 1944, mudaram para Suzano, onde seu pai conseguiu oportunidade de emprego no comércio de armazém geral. A família aumenta com o nascimento de seu irmão.
Com 06 anos de idade, Fumika e família, recém chegados, moraram de início na Vila Natal, e depois estabeleceram residência no primeiro quarteirão da Rua Benjamin Constant, ao lado da primeira escola de Suzano, onde fez da 1ª a 4ª séries escolares. Sempre estudou em escola pública, concluiu o Ginásio, da 5ª a 8ª séries, em Suzano, e o Colégio, equivalente ao 2º grau, em Mogi das Cruzes.
Em 1956, com a base do ensino público, passa no vestibular estadual da Faculdade de Farmácia e Odontologia de Araraquara, município onde morou em pensão até concluir o curso em 1960. Ao retornar formada para Suzano, por dois anos, faz estágio em estabelecimento de Mogi das Cruzes.
Compra, em 1962, de um antigo farmacêutico local o ponto comercial, situado a Rua Benjamin Constant, 97, esquina com a Praça João Pessoa, a partir daí conquista uma clientela fiel e a confiança dos moradores da cidade que na época tinha menos de 30 mil habitantes, e outras cinco farmácias. Após 19 anos, muda a “Farmácia Horigome” para o número 39 de Praça João Pessoa, onde permaneceu em funcionamento até 2017.
No decorrer dos seus 55 anos de dedicado trabalho como farmacêutica, Fumika furou milhares de orelhas, de bebês a adultos, para o uso do primeiro par de brincos, atividade que conserva até hoje.
Em 1969, casa-se com Tuneyoshi Yuta, com quem tem o filho Siunei Fernando Yuta, que lhe deu os netos Lucas e Laís.
O tênis
Fumika Yuta aprendeu a jogar tênis com seu pai aos oito anos de idade e foi assídua ao esporte por 12 anos seguidos. Após 20 anos de ausência, retomou a prática nos campos do Kosmos Clube de Mogi das Cruzes a da Associação Cultural Esportiva e Agrícola de Suzano, ACEAS. Na modalidade conquista troféus, e, recentemente, em campeonatos de duplas, é vice-campeã por equipe em dois torneios do Campeonato Brasileiro Intercolonial do Nippon Contry Club de Arujá, SP, na categoria Damas 70, no ano de 2018; e na categoria Damas 65, em 2017.

20.06.2018
RGE